Análise de indicadores de desempenho do turismo

JUNHO 2021

Os números da taxa média de ocupação dos meios de hospedagem da capital baiana continuam indicando uma retomada gradual da frequência de turistas. No mês de junho, a taxa de ocupação foi de 38,61%. O panorama ainda não é o ideal, porém aponta indícios de recuperação, se comparado aos meses anteriores.

O fluxo de passageiros nos principais aeroportos da Bahia (Salvador, Ilhéus, Porto Seguro e Vitória da Conquista) foi de 442.027, o que evidencia um processo de recuperação se comparado ao mês anterior que registrou um fluxo de 358.625 passageiros. Esse número está bem acima do que foi apurado no mesmo período do ano anterior, que apresentou 58.823, um aumento de 651,45%. No que se refere aos voos internacionais, no mês de junho foram registrados 09 voos da TAP no aeroporto de Salvador.

Nota-se ainda o crescimento do turismo regional e de curta distância, assim como ocorreu no mês de maio. Em junho, foi aferido um aumento considerável do número de veículos que transitaram pelas praças de pedágios em relação ao mesmo mês do ano anterior, onde se constatou uma diferença de 1.114.112 veículos, uma variação positiva de aproximadamente 24%.

No que tange a movimentação de embarcações e passageiros na Travessia Salvador x Morro de São Paulo observa-se que, no mês de junho do corrente ano, foram registrados 2.245 passageiros, não sendo possível uma comparação com o ano anterior, haja vista que em junho de 2020 as operações estavam suspensas.

Com relação ao consumo faturado de energia elétrica nas Atividades Características do Turismo na Bahia, quando comparado maio de 2021 ao mesmo mês de 2020, nota-se um aumento de 51,6%.

Constata-se portanto, através dos indicadores, que o turismo está reagindo de forma gradativa. A tendência de crescimento mensal vem se mantendo, como pode-se observar nos indicadores analisados, que apresentaram crescimento quando comparados ao mesmo período do ano anterior. O avanço no processo de vacinação contra a Covid-19, vem contribuindo para a diminuição da taxa de ocupação dos leitos de UTI destinados ao coronavírus, o que tem permitido a flexibilização das medidas restritivas e possibilitado dessa forma a retomada das atividades econômicas no Estado.